Frente à crise combinada da saúde pública e da economia capitalista

Publicado o .

1 O mundo inteiro está enfrentando o desenvolvimento de uma pandemia de tal magnitude que derruba por alguns meses o sistema produtivo de países inteiros. China e Coréia, os primeiros, depois deles Irã e Itália e previsivelmente muitos mais em todo o planeta. A crise econômica cíclica capitalista já estava se aproximando antes do coronavírus. Essa situação foi sobreposta à súbita paralisia da economia chinesa, de importância capital por seu papel como segunda potência mundial e – entre muitas outras coisas – como principal fornecedor de insumos de cadeias industriais ao redor do mundo. Além disso, em cada país onde a doença se desenvolve, a economia local fica paralisada por causa da propagação da doença e por causa das medidas socio-sanitárias necessárias para contê-la.

As fronteiras estão se fechando, o turismo mundial está despencando, as bolsas estão afundando … Em todos os países estão sendo anunciadas demissões em massa, afetando setores inteiros: transporte aéreo e terrestre, automotivo, turismo, hotelaria, entretenimento …

2 A crise da saúde surgiu após décadas de cortes, privatizações e precarização do trabalho nos sistemas públicos de saúde, onde eles existiam. Muitos trabalhadores não têm plano de saúde: centenas de milhões de “mingongs” (migrantes internos da China), dezenas de milhões de funcionários dos EUA, centenas de milhões de assalariados e e trabalhadores autônomos, camponeses pobres dos cinco continentes … Em nenhum lugar há suficiente hospitais ou profissionais de saúde. Não há recursos financeiros suficientes para atender às necessidades de medicamentos e suprimentos médicos. Não há produção suficiente de respiradores e oxigênio, tão necessária para os pacientes com COVID-19. A produção e os preços da maioria dos medicamentos estão sujeitos a patentes pertencentes aos grandes laboratórios farmacêuticos … A crise da saúde é combinada com uma crise econômica duríssima que a burguesia tenta fazer cair inteiramente sobre a classe trabalhadora.

Esse tipo de circunstância traz à luz as grandes contradições que caracterizam o capitalismo:

  • a motivação da produção capitalista, que não é a satisfação das necessidades humanas com o mínimo dano ao meio ambiente, mas a valorização do capital (a busca de lucro) facilita o aparecimento de novos vírus para os quais os humanos não têm defesa imunológica.
  • A propriedade privada dos meios de produção e a concorrência intercapitalista impedem de enfrentar racionalmente os problemas que surgem em um sistema de produção totalmente socializado e internacionalizado.
  • a anarquia da produção capitalista é incompatível com o atendimento das necessidades urgentes da sociedade, que requerem planejamento e previsão.
  • O poder da burguesia, baseado em estados-nação, não pode enfrentar rápida e efetivamente uma pandemia que não conhece fronteiras e requer para sua rápida mitigação uma resposta global coordenada, baseada exclusivamente em critérios científicos e na solidariedade humana.

3 A resposta dos estados capitalistas é exatamente o oposto do necessário. expondo sua natureza como instrumento de opressão de uma classe sobre todas as outras. Em cada país, as medidas de proteção e contenção não são tomadas quando exigidas pela defesa da saúde pública nacional e internacional, mas quando já é óbvio que o custo econômico nacional de não tomá-las é maior do que tomá-las.

Na China, Coréia, Irã, como agora na Europa e nos EUA, testemunhamos como as medidas claramente necessárias foram adiadas, enquanto faziam cálculos de como tais medidas afetariam os lucros atuais e futuros das empresas nacionais. Por fim, o desastre econômico não pôde ser evitado, mas em troca, a doença dispôe alguns dias preciosos (ou muitos, dependendo do país) para se espalhar livremente, multiplicando sua extensão.

Um após o outro, todos os estados propagam o nacionalismo e exigem a união sagrada das classes. Eles estão declarando “estados de exceção” que conferem aos órgãos repressivos e ao exército poderes praticamente ilimitados sobre a população. Dessa forma, o Estado burguês se prepara para a guerra civil e transforma as classes trabalhadoras em simples gado para guiar e controlar, de modo a apoiar, no maior silêncio possível, o grande sofrimento que significa a epidemia significa em si, o colapso sistemas de saúde pública, as duras medidas de isolamento e o desastre econômico que se desenvolve.

4 Isso é tudo o que pode nos oferecer o sistema capitalista em uma situação catastrófica: lucro privado às custas do sofrimento público, repressão e controle social até o delírio.

Como em toda crise do capitalismo, as restrições orçamentárias dos estados desaparecem substituídas por doações sem limites aos grupos capitalistas. Certamente, tanto na China quanto nos países ricos mais afetados, o medo explícito da explosão social está forçando os governos a adotar algumas medidas econômicas para evitar a queda abrupta na miséria de uma parte significativa da população trabalhadora (classe trabalhador e pequena burguesia). Mas todo esse dinheiro, mais o que estão dando às empresas, será pago integralmente pelos trabalhadores assim que a crise da saúde passar e se retome o ritmo de produção e exploração “normal”. O empobrecimento das massas para fazê-las pagar a dívida que se gerará será a continuação das tribulações da epidemia.

5 Diante de toda essa barbárie, as organizações que pretendem defender os trabalhadores paralisam todas as respostas. Partidos e sindicatos cerram fileiras com governos e colaboram com a militarização do poder, digna dos tempos de guerra. No entanto, a classe trabalhadora não deve aceitar que o inimigo da classe administre a crise contra ela. É necessário a unidade imediata de todas as organizações do movimento operário pelas reivindicações essenciais para a sobrevivência da maioria:

  • Gratuidade completa de todos os atendimentos de saúde e medicamentos, incluindo alimentação em hospitais.
  • Expropriação pública sem pagamento de todos os recursos privados necessários para combater a pandemia (assistência médica privada, grandes redes de hotéis, fábricas, produtos de saúde e farmacêuticos …)
  • Estabelecimento definitivo de assistência médica gratuita e completa para todos os trabalhadores do mundo.
  • Supressão de contribuições salariais. Estado e empregadores tirem as mãos dos fundos de previdência social. Financiamento ilimitado de medidas de proteção social sob responsailidade de todas as empresas capitalistas parasitárias dos orçamentos dos Estados, começando com os gastos militares e repressivas, financiamento de religiões e todas as instituições inúteis (por exemplo, monarquias, parlamentos …) .
  • Expropriação sem indenização de todos os bancos e sob controle dos trabalhadores, para disponibilizar todos os recursos econômicos à disposição das necessidades sociais.
  • Proibir todas as demissões. Garantia salarial de 100% durante a crise.
  • Garantia de llimentação, saúde e assistência social a toda a população que necessite.
  • Isenção da obrigação de ir trabalhar para todos os pais com filhos em casa.
  • Moratória imediata de todos os pagamentos das famílias trabalhadoras (prestação de casas e apartamentos, aluguéis, necessidades básicas – água, energia, comunicações). Proibição de despejo de famílias. Garantia de moradia para toda a população.
  • Colaboração internacional, sob controle do trabalhador, para pesquisa, distribuição de equipes e medicamentos, etc. Organização e controle dos trabalhadores sobre a gestão de toda a crise da saúde (produção necessária, medicamento, apoio humanitário à população em risco) com garantias de segurança para os saudáveis ​​e os doentes.
  • Fora as forças repressivas e o exército sobre aas populações. Auto-organização dos trabalhadores e vizinhos para controlar o cumprimento das medidas necessárias para interromper a pandemia.

Devemos responder rapidamente à gravidade da situação imediata. Mas também é preciso olhar para o futuro. Os elementos mais conscientes da classe trabalhadora devem chamá-la a se organizar para se tornar a classe dirigente alternativa, para oferecer à humanidade um destino diferente da catástrofe permanente que é o sistema capitalista para a maioria da população. Não há outra opção: SOCIALISMO MUNDIAL OU BARBARIE.

Coletiva Revolução Permanente – CoReP (Alemanha, Áustria, Canadá, Estado espanhol, França, Turquia)

Fração Trotskista – Vanguarda Proletária (Brasil)